eutanásia - André Salviano



eutanásia

estava triste. ensimesmada. lembrou de quando ia na casa da vó ceiça e era recebida com aquele delicioso feijão caudaloso, ovo frito na banha e arroz. ou da mãe ligando pra saber se estava tudo bem, e de como estava a terapia. sentia-se fraca. pensou tanto sobre qual seria a melhor opção e só uma se mostrava eficaz. o que os amigos iam pensar, e a família, vó ceiça não passaria por isso, não está mais entre nós, mas e o tio augusto. meses se passaram desde que começou a ler artigos sobre o assunto. cada vez mais abatida. seu pai talvez sequer ligasse quando recebesse a notícia, os primos iam tentar convencê-la do contrário. o prazo. decidiu que trabalharia em cima de um, e de que não arredaria o pé, era a vida dela, porra. aliás, quantas vidas né. essa era uma das angústias, a falta de unidade, ser tão fractal, identidade se perdendo. não tinha mais como viver assim. por isso foi preparando o terreno gradativamente, desde que leu o artigo que sanou todas as suas dúvidas. faria. seria doloroso, mas não voltaria atrás. esperava pelo melhor momento pra anunciar. a quem primeiro. mãe, irmão, primos, namorado, amigos, tio augusto. não sabia, será que anunciava a todos de uma vez só. sorriu de nervoso.

foi como imaginara, chiadeira de tudo quanto foi lado, pediram para que não fizesse isso, mas estava dentro do cronograma, foi um comunicado, não um pedido de permissão ou uma pesquisa, tudo ocorreria dentro do prazo estabelecido. ponto final. só a ana, amiga do trabalho, entendeu e deu força. a mãe estava desconsolada. o pai não disse nada. os primos não sabiam o que dizer pra dissuadi-la. o namorado a abraçou bem forte e mesmo com dificuldades, concordou. já o tio augusto de tão gente boa que era, apenas perguntou a ela se tinha certeza.

o dia chegou. dezoito de agosto de dois mil e quinze. acordou se sentindo uma nova pessoa. ia poder ser mais livre, pensou. e tomou o café da manhã repetindo o pão francês, que quentinho derretia a manteiga. no demorado banho, cantava apesar de você aos berros. pegou as chaves, entrou no carro e dirigiu até a clínica. passou pela recepção sem falar com ninguém, já na sala, suspirou. é agora, repetiu em voz alta, as mãos trêmulas. se encaminhou até a mesa, sentou, olhou para tela do notebook.

vamos começar por onde tudo começou, disse. colocou sua arroba, a senha, foi até o canto superior direito da tela, clicou na foto em miniatura, depois em configurações, no final da tela um link, desativar a minha conta, clicou. foi levada a outra tela,

Isso é um adeus?
Tem certeza de que não quer reconsiderar esta decisão? Foi algo que nós dissemos?

depois de ler que sua conta ainda poderá ser reativada no período de trinta dias, apertou convicta o botão de desativar. passou ao instagram, foursquare, swarm, google plus, snapchat, o tinder fora excluído meses antes. deixou o mais doloroso para o fim, excluir a conta do facebook.

Se achar que não vai usar o Facebook novamente e desejar excluir sua conta, cuidaremos disso para você. Lembre-se que você não poderá reativar sua conta ou recuperar o conteúdo ou as informações adicionadas.

clicou em excluir minha conta, não seria uma simples desativação. ela estava se desligando do mundo das redes sociais.

leve.

fechou a tampa do notebook pessoal, abriu o de trabalho, ligou para a secretária e disse serena, ana, pode mandar entrar o paciente das dez.

 
Conto escrito para o encontro de 18/ 08/ 2015




André Salviano é formado em Letras pela UFRJ. Já participou de algumas antologias, prosa e poesia, mídia impressa e eletrônica, como o Prêmio UFF de Literatura 2009, categoria conto, e o e-book Não é só por 20 contos (http://www.skoob.com.br/files/ebooks/20-contos.pdf). É um dos fundadores do blogue Confraria dos Trouxas (confrariadostrouxas.com.br), onde escreve todas as terças desde 2010. Admirador da alma feminina. Torcedor do Flamengo. Sempre que pode bate ponto no Maraca. Gosta de suco de melancia e do pôr do sol no Arpoador. Não dispensa um chopinho regado a bom papo. Mora em Laranjeiras, mas vive na Lapa.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O livro do desassossego, de Fernando Pessoa

Lagartixa cauda-de-chicote, por Patricia Porto

A biblioteca elementar, por Alberto Mussa