Solidão a cores - Daniela Ribeiro



SOLIDÃO
A CORES



“E as meninas da ginástica olímpica deram um show ontem em Toronto, a Flavinha Sampaio melhorou sua nota nas paralelas, etc. e tal....”
- Ué, bom dia. Dormiu aí?
- Ã, oi...? Que horas são? Seis e meia... Você vai trabalhar?
- Vou. Hoje tem aula da Carol, aquela menina que os pais levam para o Havaí nas férias, sabe?
- Ah, sei. Então peraí que eu vou fazer o café...
- Ih, mãe, ‘brigada, mas nem esquenta. Se eu tomar café vou me atrasar. Como qualquer coisa por lá mesmo. Vou só tomar meu remédio.
- Então vou ficar aqui mais um pouquinho vendo essa luta olímpica. Você sabia que o Brasil ganhou medalha de bronze na luta olímpica?
- Não, não sabia!
- Eu achei que a luta olímpica fosse tipo boxe, mas não, parece mais sumô, sabe? Antigamente se chamava luta greco-romana, agora é luta olímpica.
- Legal, mãe. Agora deixa eu ir que senão eu não consigo pegar o ônibus a tempo!
- Tchau, minha filha. Ogum te leve, Ogum te traga!
- Beijo!!!
Blam.
Cri-cri-cri.
- Olá, ô de casa!!!
- Oi, é você?
- Sim!!! Mas peraí que eu estou apertada, já volto!!!!
...
- Oi, mãe. Já cheguei e já estou saindo.
- Mas, assim? Vais pra onde?
- Vou para a análise e depois fiquei de passar na casa do Dôdo, que ele quebrou o pé. Quer alguma coisa da rua?
- Não, eu vou com seu pai ao supermercado amanhã. Estou vendo esse CSI aqui até dar a hora de buscar a Cecília no colégio.
- Cadê ele?
- Está lá dentro, no computador.
- Não tá vendo o Pan?
- Não. Brigou com o cara do mármore. Seu pai agora só pensa em reforma, eu já estou me estressando com ele. Não me deixa dar palpite em nada, tudo ele é quem sabe, já estou puta com ele.
- Mas chama ele para ver um jogo, ele relaxa.
- Não, ele está bebendo uísque, lá. Daqui a pouco está de porre, já estou vendo logo. Um inferno, isso.
- O que está passando agora?
- A semifinal de badminton, Costa do Marfim e Inglaterra. As meninas da Costa do Marfim estão dando um banho na Inglaterra! Estou vendo os dois, mas agora vou sair. Quando eu voltar, às 18 tem um jogo de vôlei imperdível. Semifinais, Sérvia e Cuba. Quem ganhar enfrenta o Brasil na final. Tem uma jogadora sérvia que mede 2,15m, a garota parece uma gigante. A Natália foi cortar mas ela fez um paredão que parecia um prédio de cinco andares. Apareceu ela com a irmã mais velha, que tem 2,2m, e a mãe, que tem 2,0m...
- Então está bem, mãe. Vou indo que já estou quase atrasada.
- Vem dormir em casa?
- Acho que sim, mas não tenho certeza.
- Depois telefona pra dizer, pra gente não ficar preocupada.
- Te mando um whatsapp, tá bem assim?
- Bom, bom, não está, mas está bem.
“Detective Benson, this is Dr. House.” “E o Thiago Silva vai disputer a prata na raia 5…”
- O elevador chegou. Beijo!!!
- Tchau, minha filha! Ogum te leve e Ogum te traga!
Cri-cri-cri




Conto escrito para o encontro de 21/ 07/ 2015




Daniela Ribeiro é jornalista, trabalhou nas indústrias fonográfica e cinematográfica e atualmente é mestranda em Teoria Literária e Literatura Comparada na UERJ. Frequenta o Clube da Leitura desde junho de 2013.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O livro do desassossego, de Fernando Pessoa

O Caderno Vermelho, por Leo Almeida

A Marcha de Alberto, de Bruno Flores