Melhores intenções - Walter Macedo Filho



Melhores intenções


Ao sair da igreja, agora há pouco, percebi que minha fé não anda lá essas coisas. Acho que é o meu jeito de misturar medo com raiva. Tenho raiva de tudo que é divino. E tenho medo de ser castigado por essas coisas divinas por causa da raiva que tenho delas. E minhas falhas são causadas pelo medo que tenho de ser castigado. Vivo em pânico. O medo me dá raiva; a raiva me paralisa e, então, eu falho. Ao sair da igreja, agora há pouco, ficou muito claro que nunca mais me perdoarei. O que mais eu podia ter feito? Eu me distraí. Foi por pouco, mas eu me distraí.

Eu estava feliz. Feliz de verdade. Fazia muito tempo que eu não me sentia assim, tão contente com tudo e, por incrível que pareça, contente comigo mesmo. Eu deveria ter desconfiado. Não era possível ficar assim, tão feliz. Ninguém fica feliz com aquela intensidade. Ninguém. A felicidade sempre traz junto uma espécie de cegueira. A gente fica meio tonto, achando que as coisas finalmente estão dando certo. E acaba acreditando que nada mais sairá dos trilhos. Pura ingenuidade. Os melhores momentos são, na verdade, o prenúncio das catástrofes.

Eu sempre tive muito cuidado com tudo e com todos. Sempre fui delicado no trato com as pessoas. Chego a deixar de lado as minhas coisas para me dedicar a qualquer um. É óbvio que com ele não seria diferente. Com ele, eu seria até melhor. Eu costumava ouvir suas reclamações com atenção e tentava, a todo custo e com toda sinceridade, ajudá-lo a encontrar saídas, a resolver suas coisas, seus pequenos dramas.

Você é um otimista,  ele me dizia, um verdadeiro otimista.

O dia estava perfeito, com aquele clima que eu adoro. Nesses dias, dá vontade de passar o tempo todo olhando para o céu sem pensar em mais nada. Nesses dias, eu poderia desaparecer para sempre, só para que um dia como esse fosse o último... o eterno. Eu acredito que alguma coisa deve ter acontecido comigo, quando eu era pequeno, e que me deixou essa marca para sempre: os dias nublados me deprimem a ponto de eu sentir dores no corpo. Imagino que eu viveria melhor morando em algum lugar parecido com aquele. Já pensei nisso. Penso nisso o tempo todo. Agora, depois de tudo, vejo que será impossível sair daqui e viver em qualquer outro lugar. Nunca mais poderei sonhar com isso.

Naquele dia eu tive as melhores intenções. Hoje sei que as melhores intenções valem muito pouco, quase nada. Eu estava certo de que era o melhor que eu estava fazendo. Tinha tanta certeza, tanta certeza que deixei de prestar atenção no caminho. Falhei. Bobagem minha ter concordado com tudo. Uma grande bobagem.

Por que ele não perguntou? Seus dois grandes olhos grudaram em mim. Por que ele não disse nada? Se ele já tinha percebido que alguma coisa estava errada, por que não virou para mim e disse:

Porra, meu, que merda é essa? Que caralho você está fazendo?

Ele costumava repetir “merda” e “caralho” em duas frases, em sequência. Era sempre nessa mesma ordem. Como se fosse uma reza. Quando jogávamos bola, era assim o tempo todo. Fosse uma jogada de craque ou uma grande cagada, era a mesma dupla de área saindo de sua boca: Merda, caralho! Há pouco tempo perguntei a ele se na hora “H”, quando estava transando, usava as mesmas palavras, na mesma sequência. Ele me respondeu que não se lembrava, mas que da próxima vez ia prestar atenção. Nunca mais saberei a resposta.


Conto escrito para o encontro de 09/06/2015




Walter Macedo Filho é dramaturgo, jornalista, roteirista, escritor e gestor cultural. Integrou o Círculo de Dramaturgia do Centro de Pesquisa Teatral, coordenado por Antunes Filho. Como gestor cultural, atuou no SESC São Paulo, Arena Carioca Dicró, Biblioteca Parque Estadual e Instituto Augusto Boal. Publicou seu primeiro livro de contos, Nebulosos, pela Editora 7Letras. Atualmente escreve o roteiro para o novo filme do diretor Paulo Thiago após ter desenvolvido o argumento.

Comentários

  1. que sutil. Gostei muito da construção elegante da sequencia de parágrafos. Bom para revelar o que não se sabe. Parabéns!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

O livro do desassossego, de Fernando Pessoa

Lagartixa cauda-de-chicote, por Patricia Porto

A Casa Tomada, por Julio Cortázar