Mote do encontro (07 /07/ 15)



sugerido por Maurício Gouveia

O mote da Livraria



Sempre imaginei que o paraíso fosse uma espécie de livraria.
Jorge Luis Borges

Pode parecer confuso, só que não, mas livrarias comercializam livros. Algumas também trabalham com CDs, DVDs, mochilas, artigos de papelaria e, acreditem, pinguins (está permitido o uso da expressão “nhóm” neste item);
Lilian Dorea – “Manual prático de bons modos em livrarias”


O que é uma livraria? Os significados variam para cada um.

Alguns buscam um estado de contemplação e euforia através desta taça chamada Livro. Uns matam tempo e, de vez em quando, notam a decoração pitoresca de blocos de papel nas paredes. Para a maioria, livrarias são comuns. No entanto, ao contrário de uma farmácia ou bar, quando uma fecha, sentimos seu vácuo. O fim de um espaço dedicado ao comércio e divulgação da cultura e educação provoca comoção.

Ao contrário de serviços gerais, cada espaço dedicado ao livro é único como nossa casa. Desde as obras até o café no mezanino, tudo contribui para uma experiência particular. Tal e qual um beijo, podemos encontrar remédios e bebidas em uma esquina. Mas, como o beijo de um grande amor, que nos coloca em êxtase, cada livraria nos marca de forma inesquecível.

A livraria é um instrumento para outro mundo. Lá, podemos encontrar a musa de cabelos longos que queimam no inverno, nos olha num misto de inocência e sensualidade e sorri com um dente lascado em meio um cenário bucólico. Ela sussurra para ser desvendada, o que nunca conseguiremos por inteiro. Jamais adquiriremos toda a riqueza oculta nas estantes da livraria. Entretanto, mergulhamos o mais fundo possível e trazemos tesouros que ficarão pelo resto de nossas vidas. Da livraria, vivemos através de outros nós mesmos.

Livraria é a ideia! Este é nosso mote.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O livro do desassossego, de Fernando Pessoa

Lagartixa cauda-de-chicote, por Patricia Porto

A biblioteca elementar, por Alberto Mussa