Susana Vieira decide envelhecer - Morena Madureira



Susana Vieira decide envelhecer

Susana Vieira despertou sobressaltada. Ainda era madrugada e a veterana atriz correu ao toalete. Sentada ao vaso, com um montinho de papel higiênico amontoado na mão direita, olhou para os 47 potes de cremes e derivados das mais variadas funções, cores e nacionalidades que povoavam sua pia de mármore carrara. Susana Vieira suspirou.

Dada a descarga, abriu a torneira dourada e finalmente olhou-se no espelho, admirando-se enquanto puxava as peles que começavam a sobrar nos cantos da face. Sua última aplicação de botox já estava na iminência de vencer, mas nem isso a abalava. Susana Vieira estava mesmo exausta de tantas restrições alimentares, rituais estéticos, injeções, pílulas, massagens, drenagens, consultas... Era chegada a hora de jogar a toalha. Susana Vieira decidira envelhecer.

Começou por se livrar de todos os artifícios que vinha utilizando para bloquear os sinais dos tempos. Jogou fora todos os cremes, batons, sombras, rímeis, delineadores e demais itens de beleza que foi encontrando pelo caminho. Depois, dirigiu-se ao quarto anexo ao seu e acordou o marido, 35 anos mais moço, e mandou-o arrumar as malas. A farsa acabara. A partir dali queria ser chamada de Dona Susana Vieira.

Depois de fazer uma limpa nos armários para se desfazer de todas as roupas que vinha acumulando para parecer mais jovem e de se esbaldar com uma farta refeição regada a óleo, glúten, carboidrato e açúcar, a veterana atriz achou que precisava anunciar sua mudança para o mundo. Chamou uma coletiva de imprensa. E, para a coisa ficar bem clara, marcou o encontro com os jornalistas no Retiro dos Artistas.

No dia e horário combinados, rodeada pela velha guarda dos palcos brasileiros, anunciou a todos que dali em diante não faria mais esforço algum para disfarçar, impedir, manipular, contornar ou aplicar qualquer outra mínima interferência no avanço da idade sobre seu corpo. 

- Agora todos testemunharão o envelhecimento de Susana Vieira! - anunciou, triunfal.

Enquanto as capas de revistas e sites de celebridades mostravam imagens do antes e depois da atriz e especulavam se ela estava louca, se era tudo jogada de marketing ou se essa não passava de mais uma de suas excentricidades, Dona Susana Vieira ia empreendendo mudanças em sua aparência. Adotou o branco platinado nos cabelos, abandonou as lentes de contato, aposentou a cinta e trocou a musculação pelo tai chi chuan. Aos finais de semana, em vez das festas badaladas repletas de paparazzi, ia ao cinema com os netos ou caminhava pelo calçadão com seu cachorro.

Depois de Dona Susana Vieira, foi a vez de Dona Ana Maria Braga seguir a tendência da colega global, e aí já viu, aos poucos, como era de se esperar, a atitude radical não só foi aceita, como passou a ser imitada por senhoras dos quatro cantos do país. O resultado imediato da “febre do envelhecimento”, como ficou conhecida em todo o Brasil a moda de não se esconder mais idade com produtos de beleza e dietas mirabolantes, foi uma queda brusca na receita das clínicas de cirurgia plástica, academias e até nos pedidos das pobres revendedoras Avon, Natura, Mary Kay e etc. Por outro lado, os bailes da terceira idade foram se tornando noitadas disputadíssimas, as quais viraram alvos dos paparazzi, e as vendas de alimentos com glúten, açúcar, óleo e derivados registraram altas espantosas.

Exatos seis meses da mudança anunciada e muitas entrevistas para Caras, Ego, Contigo e congêneres, Susana Vieira mais uma vez acordou sobressaltada. Em vez da profusão de cremes a se espalhar pela pia de mármore carrara, agora só havia um tubo de Corega e o copo cheio d’água com sua dentadura. Mas a veterana atriz ainda não estava satisfeita. Ela queria mais, sempre mais.


Conto escrito para o encontro de 09/06/2015




Morena Madureira é daquelas que escolheu o jornalismo e hoje não entende ao certo por quê. Em meio às impermanências da vida, tem certeza apenas da devoção às palavras, sejam elas lidas, escritas ou pronunciadas. Ainda não publicou nenhum livro. Mas também não teve filho nem plantou árvore. Ela acredita que tem muito chão pela frente.

Comentários

  1. Gostei do texto, e foi escrito no dia do meu aniversário. Eu sou leitor, consumidor de textos. Um bom texto para mim é como boa música. Parabéns Morena, espero ler mais textos seus.

    ResponderExcluir
  2. Gostei do texto, e foi escrito no dia do meu aniversário. Eu sou leitor, consumidor de textos. Um bom texto para mim é como boa música. Parabéns Morena, espero ler mais textos seus.

    ResponderExcluir
  3. Sensacional, já comi bacon com ovos fritos hoje no café da manhã para entrar no clima.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

O livro do desassossego, de Fernando Pessoa

Lagartixa cauda-de-chicote, por Patricia Porto

A biblioteca elementar, por Alberto Mussa