Leis - Walter Macedo Filho



Leis

Osvaldo vestia calça e jaleco de brim grosso, verde-claro, o mesmo verde-claro e pálido das cores da lavanderia onde trabalhava. Por causa de suas roupas, ele destoava das outras pessoas que estavam no cartório. Segurava nas mãos alguns papeis que, com muito esforço, tentava ler e entender o que estava escrito. Sentia um misto de vergonha e raiva. Vergonha por descobrir que neste mundo existe um mundo de palavras muito maior que o mundinho das palavras que ele aprendeu na única escola que frequentou. A raiva era por conta da decisão do juiz que o obrigava a passar para a mulher (agora ex-mulher) a pequena casa que construíra com tanto sacrifício nos fundos do terreno que pertencia à sua família. A falta de dinheiro, a falta de opção e a falta de noção levaram Osvaldo até Paulo. Difícil descrever Paulo: um misto de atendente de cartório e advogado recém-formado que, nas horas vagas, advogava causas perdidas e que, ao colocar o paletó no encosto da cadeira, dobrar as mangas da camisa branca e afrouxar o nó da gravata, sentia-se um astro de filmes de tribunal. Osvaldo pergunta a Paulo, que mantinha um certo olhar de superioridade: - É só isso aqui? 

Sim, ‘seu’ Osvaldo. O senhor leva para casa e lê com atenção.

E este papel transfere a casa para ela? Se eu assino, a casa é dela?

É o que diz a lei.

A lei... a lei... eu sei que o senhor já falou. É que parece, assim... muito simples demais. Meio desleixado, meio nas coxas, o senhor entende? O senhor tem ideia de quanto tempo a gente leva para construir uma casa? Mesmo uma casinha como essa... o senhor viu as fotos... o senhor tem ideia?

Não, “seu” Osvaldo, eu não tenho ideia.

Eu sabia. Eu imaginava.

Resignado, Osvaldo continua lendo, aproximando o papel dos olhos. – E a menina?

A filha de vocês têm direito a 50 por cento de tudo, sempre. O que o senhor está passando para sua mulher... – 

Osvaldo o interrompe: – Ex-mulher!

...o que o senhor está passando para a sua ex-mulher é a sua metade. Está escrito aí. A filha de vocês tem direito a metade de tudo e o senhor e a sua mulher... quer dizer, a sua ex-mulher têm a outra metade. O senhor tem metade da metade... e é essa metade da metade que o senhor, assinando aí, vai passar para ela.

Vocês são engraçados...

Paulo, incomodado com o comentário de Osvaldo, arruma-se na cadeira: – Não sou eu que quero... é assim que funciona. Mas o senhor não precisa assinar nada agora. Pode mudar o que quiser. 

Não adianta. Tenho que saber agora. Me explica uma coisa: como o senhor sabe, a casa está no terreno da minha mãe. Isso vem lá de trás, o senhor nem imagina. Avó, bisavó, tataravó... A gente tinha acabado de casar e minha mãe, que gostava muito dela... dessa... deixa pra lá... minha mãe foi que ofereceu um pedaço do terreno nos fundos pra gente construir. Eu fui construindo, quase sozinho. Não estou reclamando. Cada um tem seu papel. Eu recebia o pagamento... eram quinhentos tijolos. Fazia uns bicos aqui e ali... mais um saco de cimento. Vendi uma televisão pra comprar areia, pedra... Fui construindo... Não estou me queixando, o senhor entende? Aí ela logo teve a menina e ficou cuidando. Tem que ser assim. E minha mãe junto, pegando dinheiro da pensão... dando coisas para a menina... chamando a gente pro almoço... só queria entender essa lei, essa coisa escrita. Queria saber se o senhor entende. A casa está lá. É só ir ver. É muito esquisito acabar assim tudo isso, todo esse trabalho, num papel, num papelzinho... Desculpe. Mas o terreno, a minha mãe...

Isso tudo é outro processo... a lei...

Como assim, outro processo? A vagabunda recebe a casa e fica lá, assim? E pare de falar da lei.

Um longo silêncio se instala entre os dois. Osvaldo vira as folhas encarando Paulo. Abrupto, retoma o assunto: – Vamos falar a coisa clara: é que eu estou morando lá, na casa da minha mãe. E eu vejo ela passar todo dia para a casa dos fundos... a casa que eu fiz... que eu construí cada parede... sabe o que é isso? Aqui nesse papel diz que ela pode fazer tudo?

Quase tudo, quer dizer: ela não pode vender o imóvel... porque está no terreno...

Pode alugar?

Se quiser...

Mas está no meu terreno. No terreno da minha mãe. É o lugar onde minha mãe nasceu, casou, teve os filhos... um terreninho da família. Onde a gente tinha a nossa festa de natal... meu aniversário... A vizinhança toda... E é só isso? Eu assino e acabou? Será que o senhor não entende?

Eu entendo, “seu” Osvaldo. O senhor é que não está entendendo... A casa está no terreno e não vai sair de lá. Mas vai passar a ser dela. É simples assim...

Simples o caralho. Eu estou entendendo tudo sim. Tudinho. E é isso que está...

Paulo olha para o telefone celular e vê que tem uma mensagem. Pega o telefone e pedindo licença a Osvaldo. Digita alguma coisa no celular, dá uma risada contida, põe o aparelho sobre a mesa, cruza os dedos e olha para Osvaldo. Osvaldo o encara: – Não está certo.

Está certo sim... qual a cláusula que o senhor tem dúvida? Me mostre...

Não está certo ela ficar no terreno. É a terra, é o chão... o chão da minha mãe, o chão da família da minha mãe. Ali tem a história de todo mundo. Ali que eu brinquei. Ali que eu aprendi quase tudo. Minha mãe não tem mais idade... 

Paulo olha para o celular e volta a olhar para Osvaldo. Olha novamente para o celular e dá outra risada contida. Tenta se recompor ajeitando-se na cadeira: – Olha, “seu” Osvaldo, as coisas são assim. A casa está no terreno... eu entendi...

Não, o senhor não entendeu,

Claro que entendi. Está escrito aí...

Aqui não tem nada escrito.

Como não. Claro que está. Está escrito sim, quer ver?

Paulo tenta pegar o papel das mãos de Osvaldo. Osvaldo puxa o papel com força e se levanta, debruçando sobre a mesa de forma ameaçadora: – O que eu quero saber não está escrito. O que eu quero entender não tem ninguém para escrever. Ainda não inventaram um tipo de papel onde essas coisas são escritas. Não existe em nenhum dicionário as palavras pra dizer isso que eu quero entender. Essas coisas não existem. Ainda não foram inventadas. Esse seu mundo... O senhor não sabe. O senhor não conhece. É que o senhor não estava lá ontem, comigo. Ontem ela foi pra casa. Quer saber o que aconteceu? Quer saber? Ela foi para a casa... passou pelo corredor do lado da casa da minha mãe. Ela não sabia que eu estava lá. Ou ela fingiu que não sabia. Ontem ela entrou em casa... Passou no corredor. Passou com a menina. Passou dando risada, conversando... Passou com a menina... e com um cara... um homem... um outro homem...

“Seu” Osvaldo, ela tem direitos...

Direitos? Direitos? E eu? E a minha filha? E a minha mãe? E os vizinhos? E os meus amigos?... essa gente que me conhece desde pequeno...

Ela pode...

Ela pode, mas não deve. Não devia. Não podia. Com a menina...

Não tem lei. Não tem Justiça. Não tem direito. Não tem papel. Não tem vergonha. Não tem caráter... a menina... minha mãe...

Paulo olha novamente para o celular e dá outro sorriso contido. Osvaldo levanta-se abruptamente e derruba a cadeira. avança de repente sobre a mesa e pega o celular de Paulo: – Calma, “seu” Osvaldo. O que é isso, “seu” Osvaldo. Dá aqui. Dá aqui.

Osvaldo joga o celular no chão e pisoteia o aparelho com raiva.

O senhor não pode fazer isso. Eu tenho testemunhas...

Paulo ajoelha-se no chão e recolhe o celular em pedaços, quase chorando: - Isso não é justo... isso não vai acabar bem...

Não, não vai mesmo... não vai acabar bem... nem para o senhor... 

Osvaldo ergue a minuta no ar e começa a rasgá-la: –...nem para ela... nem para mim... Osvaldo encara todos no cartório e atira os pedaços de papel sobre as pessoas: –...nem para ninguém!
 

Conto escrito para o encontro de 01/ 09/ 2015




Walter Macedo Filho é dramaturgo, jornalista, roteirista, escritor e gestor cultural. Integrou o Círculo de Dramaturgia do Centro de Pesquisa Teatral, coordenado por Antunes Filho. Como gestor cultural, atuou no SESC São Paulo, Arena Carioca Dicró, Biblioteca Parque Estadual e Instituto Augusto Boal. Publicou seu primeiro livro de contos, Nebulosos, pela Editora 7Letras. Atualmente escreve o roteiro para o novo filme do diretor Paulo Thiago após ter desenvolvido o argumento.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O livro do desassossego, de Fernando Pessoa

Lagartixa cauda-de-chicote, por Patricia Porto

A biblioteca elementar, por Alberto Mussa