Todo aquele jazz - Geoff Dyer



Recomendação de leitura por Marco Antonio Martire



Nem lembro onde foi que eu catei esta dica. Devo ter esbarrado em alguma resenha sobre "Todo aquele jazz" publicada em um caderno literário. Não sou um ouvinte compulsivo do gênero, estou longe disso, sabia que passaram por este pequeno planeta um e outro gênio do assim chamado jazz. Um e outro não, agora estou sendo descuidado, passaram mesmo inúmeros, em um espaço de tempo extremamente breve. O inglês Geoff Dyer procurou captar a essência daqueles férteis anos. Não é brincadeira não... Lester Young, Duke Ellington, Billie Holliday, Thelonius Monk, Charlie Mingus, Bud Powell, Chet Baker, Art Pepper, todos estes cederam partes de suas raras biografias para os contos deste livro. Neles ficção e realidade se misturam, ficção e realidade são as servas da vontade criativa desse autor, que fala de artistas com vastas obras registradas, ainda hoje executadas e estudadas. As vidas desses artistas cabem perfeitamente na ficção deste livro, são propícias à criação, mais ou menos como um valioso solo de jazz brilha ao ignorar a partitura. Talvez só a ficção seja capaz de descrever a sofrida e monumental solidão desses gênios, só esta recriação dá conta. "Todo aquele jazz" não suaviza a mensagem, não doura a pílula para que ela desmanche docemente no paladar do fã de belas historinhas. Dyer compõe um espelho verdadeiro, ainda que ficcional. Porque captura com competência o espaço ocupado por esses jazzistas. Ali, onde hoje suas composições habitam, viviam eles em conflito constante. Vícios em álcool e outras drogas, prisões arbitrárias, brigas terríveis, perturbações psíquicas, preconceitos, eram males que eles se metiam a enfrentar. Criar não tinha a ver com procurar uma saída, criar era só o que sabiam fazer. O jazz era o único instrumento em condições de lhes oferecer a inevitável individualidade, tocar jazz foi o meio que descobriram para conseguirem ser eles mesmos. Felizes ou não, eles tiveram que assim abrir caminho, vidas que são tão emocionantes quanto suas composições. E é por isso que eu indico este livro: ouvir jazz, ler sobre jazz, é muito bom. É certamente uma questão de emoção à flor da pele.      

Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

O livro do desassossego, de Fernando Pessoa

O Caderno Vermelho, por Leo Almeida

Asas de papel, por Carmen Belmont