Eu não sou só uma mulher inteligente - Ana Claudia Calomeni




Eu não sou só uma mulher inteligente


Porque uma mulher inteligente é somente uma mulher inteligente. Eu sou gostosa também!! Eu malho, gente! Procuro manter as medidas de um corpo perfeito, sigo direitinho a Tabela de Medidas Padrão (TMP, o que me garante ataques de TPM eventuais, mas isso é o preço que se paga). Tenho medidas perfeitas para o manequim 40: 90/74/96. Meu IMC é 22,0. Mas vocês acham que alguém nota? Nããããããoooo!! Nem meus peitos de silicone, nem eles, coitados, adquiridos a custa de muita palestra sobre a situação político-econômica mundial, nem eles merecem qualquer atenção. Vocês acham que alguém olha pra eles? Pessoal só me olha do pescoço pra cima. O que mais admiram em mim, depois do cérebro, é a boca. Não porque ela seja carnuda. O que de fato  passou a ser depois da dica da injeção de preenchimento que peguei no site Patricinha Esperta. “Como conseguir um efeito Bocão”, recomendava a tal da patricinha, Bocão com letra maiúscula: letra grande, boca grande, forma e conteúdo. Apelei! Tudo pelo reconhecimento de que sou, além de inteligente, uma linda. Uma goshhhhhhtosa com uma boca carnuda que pode fazer mais, muito mais, do que apenas sair por aí falando coisas geniais. Que sou também um corpinho bonito, gente!!! É pedir demais? E minhas pernas? Vocês não fazem i-dei-a... são duas horas diárias malhando ferro, fazendo exercícios aeróbicos, é panturrilha pra cá, posterior pra lá, glúteos, extensão, abdução. Até o joelho eu malho gente!!! Mas alguém nota? Quando vou a uma festa com meu tubinho preto decotado, pessoal só quer saber a minha opinião sobre a reforma política, sobre a redução da maioridade penal, sobre a situação dos desabrigados do Nepal. Eu começo o papo dizendo que opinião é que nem bunda, cada um tem a sua, pra ver se a galera se toca e olha pra minha. Mas alguém percebe? Nada! Pessoal só quer é a minha opinião mesmo... E a alimentação? Balanceadíssima! Só como proteína e folha. Meu percentual de gordura é de atleta. Tenho uns ataques de vez em quando, desconfio ser falta de carboidrato, mas permaneço firme. Dieta “zero carb”. Uma amiga disse que fica triste sem carboidrato. Deve ser por isso que ando tendo crises de depressão, mas eu nem ligo. Não desistirei jamais!! Morro, mas provo que sou mais, muito mais, do que somente uma cabecinha cheia de teorias inteligentes.

Conto escrito para o encontro de 12/05/2015


Ana Claudia é carioca e acredita na força das formigas. E dos ventos. E das coisas que não se veem.

Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

O livro do desassossego, de Fernando Pessoa

O Caderno Vermelho, por Leo Almeida

Asas de papel, por Carmen Belmont