Não, em hipótese alguma - Morena Madureira



Não, em hipótese alguma

Menina, fecha essas pernas, senta direito, onde já se viu uma mocinha sentar de perna aberta, mostrando sua florzinha para o mundo assim, nãQue roupa é essa, tá parecendo menino, vai trocar isso, você não vai assim, que que vão pensar, menina, você acha Que coisa feia, esse joelho todo ralado, os pés imundos, tá parecendo um pivete, um trombadinha, você insiste em brincar com esses marginaizinhos, esses projetos de delinquentes, por que não vai brincar de boneca com suas primas no quintal, tá parecendo um meninO rosa é mais bonito, menina, esse azul é para o seu irmão, para de inventar moda, onde já se viu, que que vão pensar, menina? Não, em hipótese alguma.

Vai ajudar sua mãe, uma moça dessa idade que não sabe bater um bolo, não sabe o ponto do arroz, deixa o macarrão grudar todinhQue roupa é essa, olha só o tamanho dessa saia, você não pode sair assim na rua, que que vão pensar, meu JesuIsso é hora de chegar em casa, ainda mais sozinha,  você está perdida mesmo, uma moça na rua a uma hora dessas, vão pensar que está atrás de homeMas é óbvio que você não vai sair sem seu irmão, se for sem ele vão achar que você é uma qualquer, que tá se oferecendo, que não tem família, e ninguém vai querer casar com você. Não, em hipótese alguma.

Amor, que decote é esse? Pode ir trocar agora, senão a machaiada vai ficar olhando seus peitos e eu vou ficar com cara de corno manso, fazendo papel de otáLinda, não vai na festa da Fabi não, aquelas suas amigas só falam de homem, são umas encalhadas, umas piriguetes, morrem de inveja de você e vão acabar te colocando contra miQue porra de foto é essa que você postou agora no seu perfil, que que vão pensar, que eu sou um mané que namora uma piranha que fica se exibindo no FacebookQuem tá te ligando a uma hora dessas, essas suas amigas não têm noção nenhuma, vão querer ficar fofocando com minha mulher no meio da madrugada agora? Não, em hipótese alguma.

Olha, não vou poder te ajudar com as crianças hoje, tem jogo do Vasco, é final, porra, pede ajuda pra sua Mãe, o papai pediu pra você levar uma cerveja pra ele lá na sala, tá no meio do jogo, ele falou que não pode levanTrouxe a roupa suja lá de casa pra você lavar, ninguém lava minhas cuecas como você, e eu não tenho tempo de ficar esfregando roupa, você é dona de caSabia que você não ia aceitar esse trabalho, ficar o dia todo fora, e as crianças, tadinhas, são muito pequenas, não podem ficar tanto tempo sem a mãe. Não, em hipótese alguma.

Nã. 

Conto escrito para o encontro de 28/04/2015



Morena Madureira é daquelas que escolheu o jornalismo e hoje não entende ao certo por quê. Em meio às impermanências da vida, tem certeza apenas da devoção às palavras, sejam elas lidas, escritas ou pronunciadas. Ainda não publicou nenhum livro. Mas também não teve filho nem plantou árvore. Ela acredita que tem muito chão pela frente.

Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

O livro do desassossego, de Fernando Pessoa

O Caderno Vermelho, por Leo Almeida

A Marcha de Alberto, de Bruno Flores