O Insaciável homem-aranha - Vinicius Varela



Recomendação de livro por Vinicius Varela



Pedro Juan Gutiérrez: “El Prometeo sexual”


Foi assim que Roberto Bolaño (contemporâneo seu, embora este último seja Chileno) chamou o cubano, já prevendo o sucesso do trabalho de Pedro. O apelido não poderia descrevê-lo melhor. Com uma voz narrativa cortante, uma mistura da rebeldia beatnik com a sexualidade de um Marques de Sade, o autor faz os seus leitores perceberam logo que há algo de diferente no que ele tem a dizer. Em “O Insaciável homem-aranha”, o narrador e personagem da história nos guia os passos por uma Havana decadente, libidinosa, suja, um lugar com regras próprias onde nada do que valeria no mundo exterior parece se aplicar. Por sua audácia, o autor ainda é inédito em Cuba. Seus livros não circulam no país. Conseguiu publicar seus livros pela editora Anagrama, uma das mais prestigiadas editoras da Espanha e reconhecida nos países hispânicos. Sua prosa é dura e a suas histórias tem muito que revelar. A realidade de Cuba completamente devassada nas palavras do escritor choca e ao mesmo tempo envolvem. Ele mesmo consegue se ver livre de seu fascínio por essa Havana que exala loucura e descontrole. Entrevistados, disse que só sai de Havana morto ou expulso, que é ali que precisa estar para encontrar a sua matéria prima. Em um trecho do livro vemos a angústia que permeia os habitantes da capital cubana:  “Olho pela janela. Está tudo pior que ontem, mas, por tradição e conveniência, não se diz isso. O correto seria: ‘olho pela janela. Tudo bem’ “. Um submundo onde o sexo e o rum servem de válvula de escape e mantém, mesmo que momentaneamente, a normalidade de um lugar que está prestes a explodir. A impressão que temos é de que é impossível viver ali, em Cuba, um lugar completamente inabitável: “Tento esquecer que tem sempre alguém controlando, opinando, decidindo nossas vidas. Não é bom lembrar disso porque o tigre que eu tenho dentro de mim fica furioso. E isso é terrível. Posso ficar vingativo e selvagem. Posso perder o controle. E na selva quem perde o controle perece. Nada de perder o controle. Tem que ser astuto.”
Há um permanente clima de tensão que faz as histórias pulsarem. O cubano cria uma atmosfera que proporciona uma verdadeira overdose de realidade. Não há descanso para o leitor. “O Insaciável homem-aranha” é um livro contos onde um personagem protagoniza todas as histórias, constituindo assim um romance composto por contos. O livro foi um verdadeiro presente. Me foi dado por um amigo (Filipe Ralha), comprado no Sebo Baratos da Ribeiro. Me impressionei. Aquelas palavras ficaram na minha cabeça e ainda hoje voltam. A coragem de ficcionalizar a própria vida demonstrada por Juan é admirável. Conta a si mesmo com uma brutalidade que machuca, mas não a ele, que aguenta firmemente cada palavra, senão ao leitor. Vida e obra se confundem permanentemente: “Julia quer que eu escreva coisas alegres e bonitas. E minha verdadeira vocação é me meter nas cloacas, pegar ratos e abrir a barriga deles com um facão para ver o que tem dentro”, diz o personagem.  Não bastasse tudo isso. O livro é imperdível pela maneira tão contemporânea que Gutierrez tem de narrar. Sua fluidez é incrível, fazendo a história leve, na medida do possível. Não se engane. Quem ler esse cubano não sairá ileso.   

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O livro do desassossego, de Fernando Pessoa

O Caderno Vermelho, por Leo Almeida

Diatribe, por Vivian Pizzinga