A vida secreta dos ácaros, de Poliana Paiva

Minha irmã me denunciou prum programa de tv a cabo que denuncia pessoas que, segundo a opinião deles, são acumuladoras, ou seja, pessoas que, segundo a definição deles, possuem mais coisas do que necessitam. Aí eu pergunto: quem são essas pessoas que acham que sabem o tanto que as outras devem possuir? Qual o problema de eu ter um quarto só pros meus discos de vinil? E outro só pras fitas de vídeo? E daí que hoje em dia tem tudo em mp3, no netflix ou na nuvem? E se a nuvem e a internet e todas essas mídias pouco palpáveis um dia sumirem do mapa, quem vai poder ouvir 'the dark side of the moon' tranquilona? Quem, meus caros? O pessoal da tv a cabo é que não vai ser!

Quando minha irmã soube que eu fiquei indignada com o que ela chamou de convite mas que na minha terra se chama coersão, ela ficou perplexa. Disse que era uma chance em mil ser escolhida prum programa como aquele, que era por isso que eu estava encalhada, que homem nenhum aguenta aquela quantidade de ácaro no ambiente e que isso e aquilo e aquilo outro. Teve uma hora que eu coloquei o celular no viva voz e fui cozinhar. Cozinhar me acalma, me deixa solta. Tem gente que fuma maconha, não tem? Eu cozinho. Cada um com seu cada qual, tudo certo. Menos pra minha irmã, naturalmente. Pra ela nada é tão certo assim. Outro dia reclamou de eu ter 20 caixas de 50 unidades de sabão em pó dentro do meu quarto. A criatura é funcionária pública e não entende as agruras do freelancer. O freelancer não pode ver uma promoção, ainda mais se for de itens não perecíveis. Compro tudo, não nego, pago no débito. Pensa que minha irmã entende isso? Nada. Só quer saber de falar no meu ouvido. Outro dia disse que meu guarda roupa era irreal. Ela me vem com um tênis fluorescente e uma meia até o joelho por cima de uma legging me dizer isso? De onde ela tirou tanta audácia? E daí que eu tenho vestidos que não me servem há 20 anos? Quem garante que eu nunca mais vou emagrecer? Já olhou minha despensa pra ver quantas caixas de diet shake com validade prolongada tem lá? Não olhou. E, sinceramente, nem quero que olhe, vai ser mais um motivo pra me chamar de acumuladora.

Agora a mania mais nova dela é querer que eu troque meu colchão. Um colchão onde eu perdi minhas duas virgindades, um colchão que abrigou surubas de gente que já foi famosa e que hoje só faz programa de denúncia a supostos acumuladores na tv a cabo. Um colchão épico. E daí que microorganismos moram nele? Prefiro microorganismo a gente chata. Gente que não tem mais o que fazer do que prestar atenção nos hábitos dos outros. Gente que acha que tudo tem que postar no facebook. Gente que recicla lixo mas acumula pensamento negativo. Gente que fala gratidão e que não toma mel porque o mel incorre em sacrifício animal. Gente cansativa. Prefiro gente que vem aqui em casa e, mesmo reclamando que na hora de dormir não dá pra esticar os pés sem bater nas caixas de sabão em pó, comparece direitinho no meu colchão. Gente que não reclama de comer pão de forma que tava na promoção com mel de abelha. Gente que não me irrita. Pensando bem, é até melhor que minha irmã não saiba o que os ácaros da minha cama têm pra contar. Eu ia ter de ouvir um rosário sobre doenças sexualmente transmissíveis e casos de estupro a mulheres que moram sozinhas e dão a esmo.

Agora, sem brincadeira, esse papo todo me deu uma espécie de epifania. Para aqui pra refletir comigo: quem sabe essa não é uma boa ideia prum programa?

A vida secreta dos ácaros.

Taí. Vou ligar pra minha irmã agora pra ver se ela dá essa ideia pra moça que ela conhece que trabalha na tv a cabo. Se rolar mesmo uma produção dessas, super topo dar uma entrevista. Mas com uma condição: que a equipe venha sem celular, que nasci na década de 70 e não tenho mais colágeno nem cabelo ao vento pra ir parar no insta de gente jovem reunida. Gente que no lugar da parede da memória, tem o snap do esquecimento.

Gente que eu, sob o olhar de meus vinis e minhas vhs, respeito, mas não entendo.

(Conto vencedor do encontro de 18/10/2016)

Poliana Paiva é formada em Cinema pela UFF e em Teatro pela CAL. Roteirista e atriz, já fez programas de auditório, de revista e de ficção, além de ter escrito e dirigido 4 curtas. Tem um canal no Youtube 'Tudo sobre Jasmine', onde escreve, atua e dirige. Há alguns meses, vem fazendo participações em esquetes do Porta dos Fundos.


Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

O livro do desassossego, de Fernando Pessoa

O Caderno Vermelho, por Leo Almeida

Asas de papel, por Carmen Belmont