Menino a Bico de Pena

(Mote lido por Maiara Líbano)

Não sei como desenhar o menino. Sei que é impossível desenhá-lo a carvão, pois até o bico de pena mancha o papel para além da finíssima linha de extrema atualidade em que ele vive.
Um dia o domesticaremos em humano, e poderemos desenhá-lo. Pois assim fizemos conosco e com Deus. O próprio menino ajudará sua domesticarão: ele é esforçado e coopera.
Coopera sem saber que essa ajuda que lhe pedimos é para o seu autossacrifício. Ultimamente ele até tem treinado muito. 
E assim continuará progredindo até que, pouco a pouco - pela bondade necessária com que nos salvamos ele passará do tempo atual ao tempo cotidiano, da meditação à expressão, da existência à vida. 
Fazendo o grande sacrifício de não ser louco. Eu não sou louco por solidariedade com os milhares de nós que, para construir o possível, também sacrificaram a verdade que seria uma loucura.

Clarice Lispector, Felicidade Clandestina


Comentários

  1. Detalhe: foto errada, essa não é a Clarice e sim a atriz Rita Elmôr!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

O livro do desassossego, de Fernando Pessoa

O Caderno Vermelho, por Leo Almeida

A Marcha de Alberto, de Bruno Flores