Carta de João Ubaldo sobre o cu - Patrícia Calcado



Carta de João Ubaldo sobre o cu


(Psicografado por Ana Rosa Bêbada Beatrice)



Vinte e sete de outubro de 2015. Já me sinto em condições de escrever. Ainda me trato dos pulmões, que me mataram, mas estou indo muito bem com o resto. Fui acolhido por aqui com demasiado amor, e, por isso, não me gabo por ter percebido imediatamente que havia morrido. Aceitei meio chateado, mas tranquilo. Minha rápida evolução permite que agora receba permissão para ditar para a médium que ora me transcreve. Ele me auxilia a dizer o que não tive tempo. Tem algumas coisas, bobas até, considerando minha atual consciência, que inobstante sua desimportância espiritual, não vão me deixar em paz se eu não disser. Uma delas é sobre o cu, que escrevi no Budas Ditosos. Queria ter escrito um conto, onde uma personagem explicasse que é muito bom, realmente que a mulher saiba como dar, bem relaxadinha, para o caso do homem não saber comer. A grande maioria ri, mas não entende o que significa “Cu não se pede, se conquista”. Nem me darei o trabalho. Vou direto ao ponto. O negócio é o seguinte, meu filho: você faz a moça ficar molinha de tanto gozar. Usa tudo, fio. Dedo, língua, tudo. Mas se quiser muito comer o cu, e achar que não vai dar conta, guarda o menino pra depois. Mas deixa ela molinha, feliz, satisfeita. Faz carinho. Deita de conchinha. Continua a fazer carinho, beija nuca, orelha, sussurra safadezas, vai pegando os peitos, vai descendo, descendo, chegou! Clitóris! Mas, cuidado! Não nele todo, apenas nas laterais. Use seu indicador de um lado e o médio do outro. A essas alturas, você já está de pau duro e todo melado, bem direcionado, fazendo movimentos de quem vai entrar mas não entra, só acerta a portinha. Com o pacote completo, ela, já sensível por ter gozado pra cacete, vai estar doida pra dar, empinando, querendo, mesmo a que nunca deu. Vai assim, fio, vai. Chega uma hora que você simplesmente sabe que é só meter gostoso, já gozando, que possivelmente ela vai junto. Lembra dos dedos nas laterais do clitóris! E o segredo é o indicador. Cientificamente comprovado que o lado esquerdo é que dá o grande barato! Por hoje fiquei cansado. Mais do que das outras vezes...


Conto escrito para o encontro de 27/ 10/ 2015





Patrícia Calcado é graduada em Direito pela URFJ, é funcionária pública, e vem assessorando desembargadores do TJ/RJ desde 1995. Em 2000 começou a cantar. Estreou no Teatro do SESC/Teresópolis em novembro desse ano. Se apresentou no Maestro Carioca, na Barra da Tijuca, na Melt, no Leblon, no Espaço Petrobrás, em Botafogo, e participou de diversos Festivais de Inverno do SESC. Artista convidada a gravar o CD Novos Talentos da MPB, produzido pelo SESC em 2008, lançou seu trabalho COTRAVENENO em 2004. Agora, anda se engraçando com a escrita...pra ver se volta a cantar!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O livro do desassossego, de Fernando Pessoa

O Caderno Vermelho, por Leo Almeida

A Marcha de Alberto, de Bruno Flores