Claus, por Gabriel Cerqueira



– Viajo a outro planeta quando me sinto enclausurado – disse João, um cara de 21 anos, a Paulo, seu psicólogo.
– Interessante. E ele se parece com a Terra?
– Em algumas coisas, sim. Outras, não. Vou te contar como é - João se ajeitou na poltrona e continuou:
– Os habitantes são parecidos conosco, talvez até sejam humanos, e há cidades, áreas rurais... Numa das cidades há uma calçada da fama parecida com a de Hollywood, só que lá as estrelas são de verdade. Da última vez em que a visitei ela estava interditada porque duas estrelas se tornaram supernovas e a mais antiga virou um buraco negro. Tinha gente que tirava fotos de longe, mesmo correndo o risco de se queimarem ou serem sugadas. Mas valia a pena, era bonito.
– O que mais há lá? – perguntou Paulo enquanto fazia suas anotações.
– Há um reality show em que os participantes precisam levar um anel até um vulcão e jogá-lo na lava enquanto outro time precisa impedi-los. Não parece ser uma produção original.
– Não mesmo. Devem ter comprado os direitos de exibição de um programa neozelandês.
– Nas festas de fim de ano todo mundo fica com a cabeça nas nuvens porque as nuvens descem do céu para comprarem presentes.
– E você conhece alguém desse planeta?
– Eu tenho um amigo chamado Claus. Ele tem a mesma idade que eu e é míope; 4,5 graus de ignorância bondosa em cada olho, o que faz com ele tenha dificuldade para enxergar segundas intenções, pretensões maldosas, esse tipo de coisa. Ele mora em uma casa torta (o que deixa o vizinho preocupado…) com jardim de rosas verdes com caules vermelhos. Ele tem um peixe dourado.
– Qual é o nome do peixe?
– Senhor, Desculpe-me, Mas Eu Esqueci o Seu Nome.
– Meu nome é Paulo.
– Esse é o nome.
– O peixe também se chama Paulo?
– Não, o nome dele é Senhor, Desculpe-me, Mas Eu Esqueci o Seu Nome. Assim o Claus nunca esquece o nome do peixe.
– Ah… Entendi.
– O coitado está passando por uma crise de identidade. Ele assistiu a um programa de culinária japonesa e está apavorado, pois pensava que a vida dos peixes terminava na panela, mas viu que não é bem assim.
– É um perigo. Gosta de comida japonesa?
– Sim, mas me tornei vegetariano em solidariedade ao Senhor, Desculpe-me, Mas Eu Esqueci o Seu Nome.
– É Paulo.
– Falei do peixe – João limpou a garganta, continuando – Claus também gosta de gatos, mas não dos de cara achatada. Ele costuma deixar salmão em um pratinho na porta de entrada.
– E o que o Senhor, Desculpe-me, Mas Eu Esqueci o Seu Nome acha disso?
– Meu nome é João.
– O peixe...
– Ah, ele não sabe. Se descobrir ele infarta.
– Seria um problemão.
– E como! O Claus gosta de bengalas e guarda-chuvas. Sabia que todo guarda-chuva nasce como um guarda-chuvinha para drinks? E as bengalas nascem como palitos de pirulito?
– Tinha minhas suspeitas.
– Da frente da casa do Claus dá para ver o Monte Fuji. É uma tradição matinal pedir a ele que não fuja.
– Essa foi horrível!
– Bastante. Ah, a Paranoia gosta do Claus desde o jardim de infância.
– Quem é ela?
– Uma garota muito bonita. Só que ele vive fugindo dela. Disse que sente coisas estranhas quando ela se aproxima, como angústia, sensação de que algo vai dar errado, enjoo, ansiedade.
– A Paranoia gosta de você também? Como amigo, é claro.
– Isso é você quem tem que me dizer, Paulo.



(Conto lido no encontro de 21/03/2017) 

Gabriel Cerqueira não faz a menor ideia de quem ele é.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O livro do desassossego, de Fernando Pessoa

O Caderno Vermelho, por Leo Almeida

Asas de papel, por Carmen Belmont