As Cidades Invisíveis, por Italo Calvino

- O inferno dos vivos não é algo que será; se existe, é aquele que já está aqui, o inferno no qual vivemos todos os dias, que formamos estando juntos. Existem duas maneiras de não sofrer. A primeira é fácil para a maioria das pessoas: aceitar o inferno e tornar-se parte deste até o ponto de deixar de percebê-lo. A segunda é arriscada e exige atenção e aprendizagem contínuas: tentar saber reconhecer quem e o que, no meio do inferno, não é inferno, e preservá-lo, e abrir espaço.

(Mote vencedor lido por Gabriel Cerqueira no encontro de 06/12/2016)


Filho de pais italianos, Italo Calvino nasceu em Santiago de Las Vegas, Cuba, em 1923. Já em sua juventude, abandonou a graduação em Agronomia pela Universidade de Turim para lutar na Resistência Italiana e foi membro do Partido Comunista Italiano. É conhecido pelos livros O Barão nas Árvores (1957), O Cavaleiro Inexistente (1959), As Cidades Invisíveis (1972), entre outros, e é considerado um dos maiores escritores italianos do século XX. Faleceu em Siena, Itália, em 1985.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O livro do desassossego, de Fernando Pessoa

O Caderno Vermelho, por Leo Almeida

Diatribe, por Vivian Pizzinga