A biblioteca elementar, por Alberto Mussa


Os mortos voltam para casa. Os encantados, não.
Porque os mortos perdem o nome quando morrem. O nome pode ir até a encruzilhada do primeiro céu, onde fica o Urubu de Duas Cabeças, e tentar passar. Pode também arriscar passagem pelo portal de pedra, entrada da terra dos antepassados, antes que as pedras fechem e o esmaguem.
O encantado, não. Um encantado não pode se aventurar nesses lugares, porque é pesado. Encantado é o morto que não consegue perder o nome na hora de morrer.
Encantados vão sem rumo, procurando a morte. Não apodrecem, como os mortos. Vão se esgarçando, perdendo os contornos, com o tempo. Não sentem dor. Têm é muita angústia, muita agonia. Essa angústia é que provoca o encantamento. Dizem, os encantados, que é melhor morrer.
A morte precisa ser aceita. A angústia, na hora da morte, não deixa o nome fugir, se separar da sombra. Isso é o encantamento, uma grande desgraça.
E os encantados vagam. Se, daqui, você chamar, você cantar, o encantado vem. Encontra um corpo e vem. E você fala com ele; e ele fala com você.
É fácil enganar um encantado, porque ele ainda tem nome. Ele acredita que é ele. Você finge que dá presentes. E ele pensa que come, que bebe, que fuma, que usa coisas bonitas. Uma maldade, isso que fazem.
Mas nem sempre é simples. Os encantados gostam da ilusão; mas às vezes têm raiva, têm inveja, têm ciúme. Há encantados que são maus, são perigosos. Como o Veludo.
O encantado Veludo é das ruas, das encruzilhadas. Mas também anda nos cemitérios, na cripta das igrejas, na margem direita dos rios, onde, dizem, fica seu grande poder.
É também muito ligado ao chão, à riqueza bruta da profundeza da terra. Tem, por isso, muito comércio com os encantados da noite, com os encantados da lama, com os encantados do lodo, com o povo do Oriente.
O Veludo é aquele que anda por aqui. Foi visto nessa banda, a primeira vez. Mas começou longe, no Carabuçu, passo do Inferno, cachoeira dos puris. No lugar onde encontrou os ciganos.
Tinha vindo do lado esquerdo, quando trouxe os outros dois: o doutor de Coimbra; e o filho da puta de Madri, uma mulher das Espanhas que deram de comer aos cães, no rio maior de São Francisco. Essa não chorou na hora da morte.
Tinham pacto de fogo e sangue, encontro marcado no além, aqueles três. E ouro, muito ouro roubado. Vieram pelas picadas, pelos caminhos do mato, fugindo das vilas maiores, em conluio com os coroados, com os puris, com os coropós.
Atravessam o passo do Inferno, com seus carregadores; e dali procuram a caverna, não muito longe do Carabuçu, na estalagem onde o Veludo esconde a moça.
Então, de noite, depois de enterrarem o tesouro, quando os carregadores dormiam no meio do mato, o filho da puta mata todos eles, um por um. O doutor sabia; o Veludo, também.
Mas traição é caminho sem volta. O Veludo chega na estalagem, trazendo os dois, e não suspeita que a vez é dele.
É quando vêm os ciganos. Conheciam o Veludo; desconfiam do filho da puta; acham estranha a presença do doutor. Mas bebem, jogam, contam histórias. Um dos ciganos pergunta pela moça; o Veludo não responde. Carabuçu é um lugar de morte.
No dia seguinte, a moça não está mais lá. Nem os ciganos. Então começa a agonia do Veludo. Ele vai atrás, rastreia as pegadas. Procura na caverna, na cachoeira, no passo do Inferno. Os puris não viram nada. Ciganos têm caminhos que ninguém conhece.
O encantamento, dizem, começa antes. O Veludo vem para casa, para ter certeza da traição. Mas a moça não estava aqui; a moça estava longe, com os ciganos. O Veludo, então, se vinga. Deixa a vingança pronta. E volta. O destino é no Carabuçu.
É o encantamento. É alguma coisa que lhe diz para esperar ali, naquele lugar. Aquele é o lugar onde vai rever a moça.
E a moça vem. Vem com um dos ciganos. Nos olhos dela, o Veludo enxerga seu destino. Está armado. E avança.
Era gente ainda, quando encontra a faca do cigano. Veludo começou assim.


 Rio de Janeiro, Record, 2018. p. 119-122

Alberto Mussa nasceu no Rio de Janeiro, em 1961. Contista e romancista, conclui, com este A biblioteca elementar, o “Compêndio mítico do Rio de Janeiro”, série de cinco romances policiais, um para cada século da história carioca. Recriou a mitologia dos antigos tupinambás; traduziu a poesia árabe pré-islâmica; e escreveu, com Luiz Antonio Simas, uma história do samba de enredo. Além de figurar em listas de “melhores do ano” de veículos como Veja, O Globo e Folha, ganhou os prêmios Casa de Las Américas, Academia Brasileira de Letras, Oceanos, Machado de Assis (FBN) e APCA. Estudada na Europa, nos Estados Unidos e no Mundo Árabe, sua obra está publicada em dezessete países e quinze idiomas.
Fonte: Orelha do próprio livro


Mote lido por André Salviano para o encontro do dia 26 de março de 2019




Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O livro do desassossego, de Fernando Pessoa

O Caderno Vermelho, por Leo Almeida

Asas de papel, por Carmen Belmont