Tudo o que parece ser é aquilo que não é - Yassu Noguchi

Tudo o que parece ser é aquilo que não é


Não eram os fios brancos que me chamavam a atenção, nem me desagradava o tempo gravado neles. Eu também estava gravado ali, sob o tempo de minhas mãos neles, no caminho percorrido. Eu fazia parte daquele emaranhado de vida. Era, sim, a forma com que, mesmo com o passar de tantos anos, ela passava a mão direita por cima da cabeça para pentear-se, da altura da testa, até o fim do gesto, nas pontas. O que ficou claro para mim nesse momento, não foi perceber a mudança da cor dos cabelos, mas que estive o tempo todo atento a esse movimento.

Não eram as marcas no rosto dela diante do espelho que eu via quando ela fazia isso, era seu olhar de cumplicidade e timidez comigo, sempre seguido de um sorriso. A impressão que eu tenho é que ela sempre se surpreendia com minha contemplação. Eu é que me surpreendia que o mesmo gesto ainda me deixasse assim, perplexo, e desconcertado. De amor.


Conto escrito para o encontro de 29/04/2014



Ha-fu japonesa, mezzo italiana, e natural do Rio de Janeiro, Yassu Noguchi é contista, artista visual, poeta residente do Pizzarau e do Santa Poesia, e integrante dos coletivos Romã com Travesseiro e Balalaica.








Comentários

  1. Como é bom um novo blog do Clube para postarmos nossos textos, nossos contos, para que os que não podem ir possam acompanhar as produções literárias que se fazem às terças sim, terças não, e que ótimo poder ver um conto da Yassu aqui, esse conto tão singelo! Mãos às obras literárias!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

O livro do desassossego, de Fernando Pessoa

O Caderno Vermelho, por Leo Almeida

Asas de papel, por Carmen Belmont